Faltou o motivo?

Há tempos tivemos em assembleia a discussão e votação do relatório de contas de 2006. É um documento técnico que pouco diz à população, mas é um documento importante, pois dá-nos conta da execução orçamental. É claro que todo o debate político à volta deste documento é sempre um debate falseado. Falseado porque nunca a oposição vota a favor, nem o contrário por parte de quem está no poder.

Mesmo assim, tento sempre fazer um debate sério sobre o assunto. Com pontos positivos e negativos. Foi o que fiz este ano como também no ano passado. Posteriormente deixarei aqui um artigo que escrevi para o Jornal de Estarreja sobre o assunto. Mas gostava já de comentar a questão da dívida. O PS local diz que a dívida nos últimos 2 anos passou de 14.8 milhões de euros para 23,5 milhões de euros. Realmente os números dizem isso, mas há uma nuance, que o PS esconde.

Se a Câmara não tivesse contabilizado os 2 milhões de euros de dívida à SIMRIA, a dívida seria de 21.4 milhões de euros, ou seja, ligeiramente inferior a 2005 (21.7). Ora a dívida à SIMRIA arrastava-se devido ao facto de existir uma diferença entre os caudais mínimos combinados e os caudais reais. Ou seja, a Câmara estava a receber facturas que eram superiores aos caudais reais. Daí que se recusava a pagar á SIMRIA. Desta vez, a dívida foi negociada por conta de dividendos futuros e daí o impacto nas contas.

Portanto, quando o PS fala de um aumento brutal da dívida a fornecedores está a esconder o essencial. E o essencial é que houve uma diminuição de dívida a fornecedores de imobilizado, assim como a fornecedores ditos correntes (exceptuando a SIMRIA), como se pode ver pelas contas. Aliás, o Relatório da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Publicas, dá conta que a Câmara Municipal de Estarreja, paga aos empreiteiros em tempo abaixo da média nacional entre 3 a 6 meses estando bem classificada a nível do distrito.

É claro que o PS local tem boas razões para não falar da dívida à SIMRIA. É que o acordo fabuloso negociado com esta entidade que estabelecia caudais mínimos a pagar pela Câmara foi negociado no tempo de Vladimiro Silva. Ora como se viu não foi um grande acordo para a Câmara.

Mas faltou obviamente debate na Assembleia Municipal. A CDU pouco disse e o PS eclipsou-se completamente. Daí que não deixe de ser caricato ver o PS local a escrever para um jornal indignado pelo facto de não terem noticiado o motivo pelo qual votaram contra. Mas é natural que o jornal não tenha noticiado o motivo, pois o motivo realmente ninguém o percebeu, nem o viu explanado?

Anúncios

2 thoughts on “Faltou o motivo?

  1. Após uma leitura atenta do “post”, fica-me uma dúvida. Qual seria o valor a pagar à Simria se não existissem os tais caudais mínimos: seria maior, menor ou igual?? E já agora, quanto é que o município recebeu dos munícipes relativos ao serviço de saneamento??

  2. Olá Ana

    Tudo indica que seria menor, daí a razão da dívida, pois a CME não reconhecia que os caudais reais estivessem de acordo com os mínimos contratualizados. Para controlar essa situação, a CME instalou agora medidores de caudais, que vão permitir uma leitura independente dos caudais de forma a sabermos com precisão os caudais reais. Quanto aos valores recebidos pelo serviço de saneamento não sei ao certo?

    Um abraço

    José Matos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s