O problema da linha Lisboa-Madrid

O pedido recente de explicações a Espanha do ministro Mário Lino sobre a linha de Alta Velocidade (AV) é um episódio caricato e que merece obviamente ser comentado, pois mostra que não tem havido muito realismo na concepção da linha Lisboa-Madrid. A linha na parte portuguesa prevê uma velocidade máxima de 350 km/h e de 300 km/h na parte espanhola. Ora, 350 km/h torna esta linha, uma linha de grande velocidade (LGV), ao nível da famosa linha francesa LGV Este, que prevê uma velocidade máxima para os comboios de 320 km/h. De salientar que a linha portuguesa LGV é de tráfego misto (passageiros e mercadorias), caso único na Europa, pois neste momento não existe uma única linha LGV de tráfego misto a funcionar em termos comerciais. Os espanhóis de forma mais realista optaram por uma velocidade máxima de 300 km/h (AV) no seu trajecto e ultimamente têm dado sinais de querer uma linha de velocidade elevada (VE), com uma velocidade máxima de 250 km/h. Ora, Portugal podia também ter optado por uma linha AV, e a confirmar-se a intenção espanhola de querer uma linha VE, a fantasia portuguesa de uma linha LGV deixará de ter sentido. Ora, este tipo de processo mostra pouco realismo na concepção da rede e descredibiliza obviamente a RAVE, que dá sinais que não sabe o que anda a fazer.

Mas como já tinha dito anteriormente, para já o governo espanhol não disse coisa nenhma sobre isto. Há apenas notícias nos jornais. É claro que é estranho haver fumo sem fogo? Mas a ver vamos.

Anúncios

Morais Sarmento

Devia ter estado calado ontem na Rádio Renascença ao falar do TGV. Devia ter seguido o exemplo de Ferreira Leite no congresso e não falar do que conhece mal. O que disse ele? Disse que “o governo decidiu investir não sei quantos milhões de euros para fazer o TGV até à fronteira com base em opções do governo espanhol e este vem agora dizer que está reequacionar a ligação Madrid-Badajoz. Só pode ser uma brincadeira de mau-gosto”. Este é um tipo de conversa de quem não sabe do que está a falar. Aliás, o próprio admite que nem sequer sabe quanto vai custar a linha até à fronteira (€ 2 mil milhões). Se não sabe uma coisa tão básica como é que fala de um projecto que conhece mal?

Depois, o governo espanhol não disse que ia reequacionar coisa nenhuma. Aliás, o governo espanhol não disse coisa nenhuma sobre isto. O que há do lado espanhol são especulações em jornais sobre uma pretensa intenção do governo espanhol querer fazer uma linha de velocidade elevada (VE) e não de alta velocidade (AV). Nada mais do que isso. Depois, dizer que o PSD trocaria o TGV por apoios à emergência social é também falar sem saber o que está a dizer. Mas quem é que lhe disse que o PSD fazia isso? Foi Ferreira Leite? Isso nem sequer está estudado, como é que alguém vem dizer isso? O que o Morais Sarmento devia ter dito claramente é que a concepção da linha portuguesa não é realista no perfil de velocidade previsto. Disso é que podia ter falado, mas para isso era preciso perceber alguma coisa do assunto. Voltarei ao tema em breve.

Ferreira Leite

Saiu do congresso denunciado a situação de emergência social e a desigualdade na repartição da riqueza. Não deu qualquer solução para o problema, pois o problema não é fácil de resolver, nem há soluções mágicas. Falou também na onda avassaladora de infra-estruturas que está prevista para os próximos anos e de falta dinheiro para as mesmas. Mas não disse que projectos seriam revistos? Será o TGV, a novo aeroporto, a terceira travessia do Tejo? Ou será que vai cancelar outros projectos? Ao não dizê-lo deixou toda a gente na dúvida, mas fez aquilo que um político responsável deve fazer que é não falar daquilo que não sabe. A nova líder do PSD não sabe obviamente em que projecto vai mexer. No caso da Alta Velocidade existem já verbas comunitárias aprovadas no âmbito do QREN (955 milhões de euros) para a linha Porto-Lisboa. Portanto, não é de ânimo leve que se deve falar destes projectos. Desse ponto de vista, Ferreira Leite mostrou como se deve comportar um político responsável. E este é um exemplo que nem sempre se vê em política.

A Alta Velocidade em Estarreja

Esta vai ser uma semana dedicada à Alta Velocidade. Na próxima sexta-feira à noite, a assembleia de freguesia de Beduído vai fazer uma sessão dedicada à Alta Velocidade e ao seu impacto em Estarreja. Estão convidados a estarem presentes, principalmente os comentadores habituais da blogosfera. A sessão contará com uma apresentação de fundo sobre a Alta Velocidade, seguida de debate.