Pump Up The Jam

Muita gente fez figuras tristes ao som desta música no final dos anos 80. De repente surge 20 anos depois numa revisão mais aceitável. De uma forma mais audível e vemos que a música tinha realmente qualquer coisa para ter o sucesso que teve. Há ali uma melodia que nos faz vibrar.

O pastor alemão

“O meu amigo Nascimento diz que cada um caça com o seu cão. Eu em Salreu caço com uns amarelos pequenos. Ele tem um pastor alemão”.

Presidente da Junta de Freguesia de Salreu

Comentário – Bem, já chamaram muitas coisas ao Presidente da Câmara agora pastor alemão, acho que é a 1ª vez.

700 palavras

A deputada Marisa Macedo gastou há tempos neste jornal 700 palavras para responder a um artigo meu sobre a história do novo hospital em Estarreja. É com toda a simpatia que lhe respondo, pois acho que ela também merece 700 palavras, embora não tenha respondido a várias das questões do meu artigo especialmente dirigidas a ela. Além disso, é pena que tenha usado alguns truques de linguagem para passar uma ideia ou duas falsa. Em primeiro lugar, eu nunca defendi o hospital “Ria Norte” em lado nenhum, nem nunca falei sobre a sua hipotética localização em Ovar. Da mesma forma, o Presidente da Câmara nunca defendeu o hospital “Ria Norte” localizado em Ovar. A única coisa que o Presidente da Câmara defendeu foi a existência de um novo hospital com urgência 24 horas, que servisse Estarreja, Ovar e Murtosa. Nada mais do que isso. Sobre a hipótese de ser em Ovar, a única pessoa que defendeu isso foi o Presidente da Câmara de Ovar (como é natural), mas nem o governo disse alguma coisa sobre a hipotética localização de tal unidade, nem o Presidente da Câmara de Estarreja disse que apoiava semelhante localização. Portanto, é bom que a deputada Marisa Macedo corrija isso da próxima vez que falar sobre o assunto, pois já me faz lembrar aquela famosa história das obras paradas por falta de pagamento aos empreiteiros, que no dia seguinte já era só a história das obras paradas, já não falava dos empreiteiros.

Eu sei bem que a deputada Marisa Macedo não é uma pessoa livre em termos de opinião, pois defende obviamente os interesses partidários do PS local e nacional e desse ponto de vista só diz o que lhe interessa dizer. Está obviamente no seu direito e compreendo perfeitamente a posição dela e os leitores também. Também sei que não morre de amores pelo Presidente da Câmara e que toda a sua acção política tem como único objectivo atacá-lo o mais possível. Mas certos truques eram escusados. Mas o que eu gostava de saber sobre o novo hospital anunciado pelo PS e o velho que fica são coisas muito simples.

O anúncio de um novo hospital para Estarreja é obviamente uma boa notícia e espero que seja realmente construído. Espero bem que não seja um daqueles anúncios que se fazem a 6 meses de eleições e que depois caem no esquecimento. É um facto que anúncio não gerou grande entusiasmo nas pessoas, pois ficamos sempre desconfiados de obras anunciadas em período pré-eleitoral. Mas espero agora que o Secretário de Estado da Saúde visite Estarreja e que diga quanto vai custar, o que vai ter, e quando vai estar pronto?

É claro que muita gente vai aproveitar-se nos próximos tempos deste anúncio, mas o que importa verdadeiramente saber é se vamos ou não ter um novo hospital e o que é que vamos fazer do velho?

Na ausência de notícias sobre o novo prefiro para já falar do velho. E sobre o velho gostaria de dizer que continua por cumprir o protocolo assinado entre a CME e a ARS. Também continuamos sem saber as contas e a produção assistencial durante o período de vigência da última administração. Também continuamos sem saber se vai ou não ser construída a nova unidade de cuidados continuados (UCC). O PS local parece apostado em não seguir tal caminho, pois diz que o dinheiro para a UCC deve ir para o novo hospital. Estranhamente a deputada Marisa Macedo veio dizer neste jornal que é a favor de uma UCC de média e longa duração, embora não diga onde é que vai arranjar dinheiro para fazer tal coisa? Nem explique como é vai fazer isso sem afectar a estrutura do Hospital Visconde de Salreu? Então com uma UCC de média e longa duração já não vamos ter um pombal sobre o HVS? Já não vamos ter que suspender serviços? Já não vamos desperdiçar dinheiro num edifício que nem sequer é do Estado? Perguntas que ficaram sem resposta…

Por fim, que garantias temos nós do governo que um novo hospital vá ter um serviço de urgências básico (SUB)? Será que o Secretário de Estado vai dizer que sim também isso, que o novo hospital vai ter uma SUB? Esperemos bem que sim, senão temos que perguntar para que serve um novo hospital sem uma SUB?

E não podia terminar sem dizer à nossa deputada, que essa coisa de dizer que eu não vivo em Estarreja não lhe fica bem, pois afinal de contas a minha cara deputada também só vive em Estarreja ao fim-de-semana, estando à semana em Lisboa a defender os interesses da nação.

(In Jornal de Estarreja)

Os pequenos truques…

Os pequenos truques de linguagem, a descontextualização de frases, a arte de criar no observador uma ilusão de realidade. Era escusado a política ser assim. Como a história das obras paradas por falta de pagamento aos empreiteiros, que no dia seguinte já era só a história das obras paradas. Já vi este truque no passado repetido agora com a famosa história do hospital “Ria Norte”.

Estava só à espera que o PS copiasse a notícia que saiu em Fevereiro no Jornal de Estarreja para a comentar. Não resistiram.

É que até já me acusaram de defender tal solução, quando eu nunca falei publicamente de tal coisa.

Bem, mas o PS local lançou a cópia da notícia, só para dizer que o Presidente da Câmara defendeu a construção de um novo hospital em Ovar. Aliás, estive a ver as várias declarações do PS a esse nível e por mais que uma vez que surge a ideia, senão vejamos:

“Eu sei que ele (Presidente da Câmara) e o seu fiel assistente (eu) querem que a população se esqueça que defenderam Ovar como solução, mas isto foi capa do Jornal de Estarreja de 06 de Fevereiro último.”

“Para culminar, vem agora defender um novo hospital localizado em Ovar, que dispusesse de Serviços de Urgências Básicas.”

Ora quem lê a notícia do Jornal de Estarreja vê o seguinte:

1- O Presidente da Câmara de Estarreja defendeu a existência de um novo hospital com SUB que servisse Estarreja, Ovar e Murtosa, a chamada USL Ria Norte. Nada disse sobre a sua localização.

2- Perante a hipótese de existir uma USL “Ria Norte”, o Presidente da Câmara de Ovar disse ao governo que achava que tinha sentido que essa USL ficasse localizada em Ovar no actual hospital.

3- Não há em lado nenhum da notícia qualquer declaração do Presidente da Câmara de Estarreja a dizer que a USL “Ria Norte” devia ser em Ovar.

4- Sobre a hipótese de ser em Ovar, a única pessoa que defendeu isso foi como é natural o Presidente da Câmara de Ovar, mas nem o governo disse alguma coisa sobre a hipotética localização da USL, nem o Presidente da Câmara de Estarreja disse que apoiava semelhante localização.

Ora se nunca o Presidente da Câmara de Estarreja disse que apoiava a localização em Ovar, se nunca o governo disse que tal unidade ficava em Ovar, se o único que disse que gostava de ver a USL em Ovar foi Manuel Oliveira, como é que há um partido político que diz que o Presidente da Câmara de Estarreja defendeu a construção de um novo hospital em Ovar?

autarquidefendehospitalria_norteje_6-2-20081