Seis anos depois…

O blogue faz hoje 6 anos de existência e eu penso na quantidade inútil de palavras que aqui deixei. Nas horas perdidas, na falência muscular por causa de tantas horas passadas ao computador. No tendão que está inflamado, nas chatices, na queixa em tribunal, nas polémicas, nas quezílias partidárias. Tudo isto era escusado, podia ter aproveitado o tempo noutras coisas e hoje estava bem melhor, mas no meio desta amálgama de palavras também houve discussões úteis, polémicas que foram esclarecedoras, palavras que abriram caminho. Um blogue é um diário e por aqui vou sempre lembrando o fio condutor dos dias. O que fui num certo tempo e num certo momento. O que disse e o que escrevi. As posições que tomei. Já não tenho o tempo que tinha para escrever, nem a saúde de outros tempos, por isso, é natural que me vá desligando. Não quer dizer que deixe de escrever, mas os músculos e os tendões vão-se ressentindo. Afinal são seis anos, uma eternidade na blogosfera.

Anúncios

Coisas do sedentarismo

Popularmente chamam-se dores nas costas, os médicos gostam de chamar-lhes lombalgias. Para mim, são uma chatice. É uma das perturbações físicas mais comuns a quem passa muito tempo ao computador como eu. Não é primeira vez que tenho isto. Da primeira vez (2006) andei 4 ou 5 meses até ficar bem. Desta vez espero que seja menos, pois ando em fisioterapia. É lá que encontro todos os dias os meus colegas mais velhotes. Cheias de mazelas, de músculos, de ossos que já não funcionam bem. É a idade dizem eles, pois é, mas não é só, são também os anos de trabalho. Mas o meu problema é mesmo o computador é arranjar uma cadeira que seja boa para todos os males do sedentarismo. Ou então deixar o computador encostado a um canto. Deixar de teclar, deixar de perder tempo com coisas inúteis. Porque não são só as dores nas costas, depois é o tendão do ombro direito que também não anda bem por causa do rato do computador e outro dia é outra coisa qualquer e as mazelas vão-se juntando. É nestas coisas que vemos que já estamos velhos, que os músculos já não são o que eram. Facilmente entram em falência. Facilmente nos deixam ficar mal.